Teses 2017

Katia Teonia Costa de Azevedo

Orientador:Alice da Silva Cunha
DATA DA DEFESA: Junho/2017
NÍVEL: Doutorado
TÍTULO: Mudas cinzas - Catulo e a poética do luto
BANCA: Alice da Silva Cunha – UFRJ, Airto Ceolin Montagner – UFRRJ, Amós Coêlho da Silva – UERJ, Carlos Eduardo Costa Scherer – UFRJ, Cecília Lopes de Albuquerque Araújo – UFRJ, Ana Thereza Basílio Vieira – UFRJ (suplente) e Márcia Regina de Faria da Silva – UERJ (suplente).
RESUMO: Catulo, poeta latino que viveu os últimos anos da República romana (século I a.C.), revela em seus versos a expressão subjetiva da dor pela perda de um ser querido, uma ausência provocada pela morte, cujo sentimento se caracteriza na manifestação do luto. Um sofrimento evidenciado em poemas que demonstram ora o enternecimento do sujeito poético pelo pesar do outro, ora a dor profunda da própria persona de Catulo, que conheceu, por ocasião da morte de um irmão amado, o peso da humanidade. Este estudo apresenta uma análise dos poemas 3, 65, 66, 68, 96 e 101 de Catulo, carmes que retomam uma tradição poemática fúnebre e que configuram o que denominamos nesta tese de ciclo do luto. Com base nesse conjunto de poemas, analisamos não apenas a expressão íntima do processo da perda, mas também o fazer literário catuliano e, especialmente, reconhecemos uma poética do luto em Catulo assentada sob três aspectos: silêncio, deslocamento e memória.

DOWNLOAD

Bondarczuk, Simone de O. Gonçalves.

Orientador: Auto Lyra Teixeira.
DATA DA DEFESA: Março/2017
NÍVEL: Doutorado
TÍTULO: Um Estudo das Partículas Gregas na Tessitura Argumentativa do Diálogo Filebo de Platão
BANCA:Auto Lyra Teixeira(PPGLC-UFRJ), Maria das Graças de Moraes Augusto - UFRJ, Maria Maura da Conceição Cezário - UFRJ, Alice Bitencourt Haddad - UFRRJ, Ricardo de Souza Nogueira (PPGLC-UFRJ).
RESUMO: Em Platão, a forma dialogada pressupõe um modo de pensar a filosofia não tanto como um objetivo doutrinário, mas com a intenção de apreender o movimento de construção dinâmico do pensamento, por meio da apresentação e da prática da dialética nos diálogos. No Filebo, Platão retoma as características dos primeiros diálogos socráticos que melhor refletem esse caráter conversacional, reproduzindo a alternância das falas por turnos, em uma espécie de mímesis da conversação socrática, mas com características dramáticas, aproximando o texto efetivamente do teatro. O modo original como Platão constrói essa tessitura argumentativa revela tanto a sua capacidade literária de dialogar com toda a tradição cultural grega quanto a sua tentativa de elaborar uma escritura da dialética, valendo-se de uma linguagem que dê conta da sua proposta filosófica. A hipótese inicial da autora da tese é que a escritura da dialética, como concebida por Platão, deve se expressar na forma dialógica como a imagem mais próxima (ei)/dwlon) da produção divina da dialética em si mesma (to\ au)to/). A partir dessa premissa, procura-se mostrar, na perspectiva da Pragmática e do Funcionalismo, como essa hipótese se evidencia na linguagem utilizada pelo filósofo, particularmente no uso das partículas gregas, como um recurso linguístico fundamental na reprodução da interação das personagens do diálogo, sugerindo não apenas a dinâmica da conversação, mas também a estrutura da argumentação no Filebo. A tradução proposta pela autora levará em consideração esses recursos linguísticos para a reconstrução, na escrita, da oralidade socrática e do exercício dialético.

DOWNLOAD

Pio, Thaíse Pereira Bastos Silva.

Orientador: Ana Thereza Basilio Vieira.
DATA DA DEFESA: Agosto/2017
NÍVEL: Doutorado
TÍTULO:O discurso didático nas Geórgicas: Entre o lugar-comum e lugares outros
BANCA:Ana Thereza Basilio Vieira – PPGLC / UFRJ, Fernanda Messeder Moura – PPGLC / UFRJ, Lívia Lindóia Paes Barreto – UFF, Paula Branco de Araujo Brauner – UFPel, Rivia Silveira Fonseca – UFRRJ, Gloria Braga Onelley – PPGLC / UFF, Suplente e Beatriz Cristina de Paoli Correia – UFRJ, Suplente.
RESUMO: O grande poema didático de Virgílio acerca da agricultura, as Geórgicas, composto no período compreendido entre os anos de 37 e 30 a. C., aproximadamente, descreve, em quatro cantos, os variados trabalhos rurais e atividades próprias da lida diária do agricultor, quais sejam: o cultivo dos cereais, dos vegetais, dos animais e das abelhas, respectivamente. Constituem o corpus desta pesquisa, as passagens digressivas da obra, ou seja, os versos em que o poeta, abandonando temporariamente a função didático-instrutiva e adotando um discurso preponderantemente poético, aborda assuntos de domínios diversos que, alheios à agricultura, possuem, em geral, cunho político, filosófico, religioso, mitológico, social, ético, moral etc. A partir da tradução dos versos das Geórgicas que constituem as digressões, serão analisados os efeitos semânticos, didáticos e argumentativos deste tópos atinente ao gênero da antiga poesia didática, proposto, aqui, não como mero ornamento estético e literário, mas, sobretudo, como um recurso retórico que exerce papel significativo em meio ao contexto, objetivo e estrutura da obra.

DOWNLOAD

Teses 2016

GONÇALVES, Alex Fabiano Campos

Orientador: Shirley Fátima Gomes de Almeida Peçanha
DATA DA DEFESA: Março/2016
NÍVEL: Doutorado
TÍTULO: "Concepções Escalógicas na Poesia Grega Arcaica: de Homera a Píndaro"
BANCA: Shirley Fátima Gomes de Almeida Peçanha(PPGLC-UFRJ), Auto Lyra Teixeira (PPGLC-UFRJ), Glória Braga Onelley (UFF), Ricardo de Souza Nogueira (PPGLC-UFRJ), Marcos José de Araújo Caldas (UFRRJ), Tânia Martins Santos (PPGLC-UFRJ - Suplente) e Maria Regina Candido (UERJ - Suplente).
RESUMO: Os Gregos, desde o período micênico, mantinham com os mortos uma relação que só pode ser compreendida com base na crença de que, mesmo depois de morto, sepultado ou cremado, existia um elemento humano que sobreviveria de modo autônomo e consciente no mundo dos mortos. Sobre essa concepção assentam-se as proposições dessa tese na qual foram discutidos os principais aspectos da escatologia grega arcaica, desde a morte, destino final de todos os omens, até a condição existencial post-mortem da psykhé, depois da realização dos ritos funerários, condição necessária para o ingresso definitivo no Hades. Teorias foram confrontadas a fim de maiores esclarecimentos sobre o tema em questão, estando sempre no centro da discussão, no entanto, o texto literário grego, que serviu de base aos argumentos apresentados.

DOWNLOAD

KAROL, Luiz

Orientador: Anderson de Araújo Martins Esteves
DATA DA DEFESA: Outubro/2016
NÍVEL: Doutorado
TÍTULO: "De Deo Socratis, a demonologia no contexto do império greco-romano"
BANCA: Anderson de Araújo Martins Esteves, Amós Coêlho da Silva Arlete José Mota, Cláudia Fátima Morais Martins, Ricardo de Souza Nogueira, Álvaro Alfredo Bragança Júnior(Suplente), Airto Ceolin Montagner (Suplente).
RESUMO: O segundo século de nossa era foi um momento ímpar na história da humanidade, pelo menos no que tange ao Império Romano, que, por assimilar e proteger a herança da cultura grega, tornara-se aquilo que Paul Veyne designa por Império Greco-romano. Mesmo tutelados pelo poder romano, os gregos desse período tentam restabelecer a grandiosidade de suas πόλεις. Trata-se então do período conhecido como a Segunda Sofística, em que oradores gregos percorrem todo o Império disseminando o saber filosófico mediante apresentação de palestras. Coexistem as vertentes do Epicurismo, Estoicismo e Platonismo Médio, temperadas com um pouco de Aristotelismo. Das três vertentes, a última sempre foi muito pouco estudada, pelo menos no que tange à Literatura Latina. Apuleio de Madaura, em suas próprias palavras, um filósofo platônico, a exemplo dos sábios da Segunda Sofística, tornara-se um orador de concerto de muito sucesso em Cartago e legou-nos três obras sobre filosofia platônica. Nosso trabalho versará sobre uma delas, De deo Socratis, palestra proferida em latim sobre um dos mais instigantes assuntos do Platonismo Médio, os daemonēs. Trata-se do único e mais abrangente documento em latim a tratar do assunto, ao contrário dos demais documentos, em grego e latim, que o tratam somente como assunto subalterno. O presente trabalho parte da tradução do original latino, acrescida de uma contextualização histórica, literária, comentários e notas sobre o texto.

DOWNLOAD

Prêmio J.Mattoso Câmara da ABRAFIL

OLIVEIRA, Luciene de Lima

Orientador: Auto Lyra Teixeira
DATA DA DEFESA: Fevereiro/2016
NÍVEL: Doutorado
TÍTULO: "Os Discursos Epidícticos de Paulo de Tarso no Livro dos Atos dos Apóstolos"
BANCA: Shirley Fátima Gomes de Almeida Peçanha (UFRJ/PPGLC), Tânia Martins Santos (UFRJ/PPGLC), Dulcileide Virginio do Nascimento Braga (UERJ), Amós Coêlho da Silva (UERJ), Ricardo de Souza Nogueira (UFRJ/PPGLC - Suplente), Márcia Regina de Faria da Silva (UERJ - Suplente).
RESUMO: O corpus dessa pesquisa são os quatro discursos epidícticos em Antioquia da Pisídia (At 13. 14-41), em Listra para a multidão (At 14. 14-18), no Areópago de Atenas (At 17. 22-34) e nas escadarias da Fortaleza Antônia em Jerusalém (At 21. 40; 22. 1-24) atribuídos a Paulo de Tarso, mais conhecido como apóstolo Paulo, nascido, provavelmente, entre os anos 1 e 5 d.C., na cidade de Tarso, na Cilícia (Ásia Menor). Ao anunciar a nova crença em sua jornada missionária, Paulo, antes perseguidor implacável dos seguidores de Jesus, pronunciou muitos e variados discursos, diante de públicos bastante heterogêneos, não só para difundir os seus ideais, mas também para participar de debates ou mesmo se defender de acusações religiosas e políticas que lhe iam sendo impostas. Assim é que o objetivo da presente pesquisa é verificar, nesses discursos, como Paulo utiliza os recursos retóricos, levando também em consideração tanto o cenário (quadro espacial) quanto o momento (quadro temporal) onde se inserem esses quatro discursos em os Atos dos Apóstolos. Nesse sentido, o enfoque é pragmático, pois busca considerar o uso da língua em seu contexto, numa abordagem interacional centrada na análise do discurso, partindo do pressuposto (a hipótese) de que é possível a aplicação de conceitos aristotélicos no estudo dos discursos paulinos como eles aparecem no texto em questão. É importante ressaltar também que, não obstante o livro dos Atos tenha sido escrito em um idioma não mais falado, o chamado dialeto comum, ou seja, o grego koiné, os excertos tomados como objeto de estudo ainda fazem ressoar a oralidade característica das práticas oratórias tão marcantes na Antiguidade.

DOWNLOAD

MARINHO, Luciana Antonia Ferreira

Orientador: Ana Thereza Basilio Vieira
DATA DA DEFESA: Agosto/2016
NÍVEL: Doutorado
TÍTULO: "Uma conversa com as Fábulas de Fedro"
BANCA: Ana Thereza Basilio Vieira (UFRJ), Auto Lyra Teixeira (UFRJ), Leonardo Ferreira Kaltner (UFF), Beatriz Cristina de Paoli Correia (UFRJ), Rivia Silveira Fonseca (UFRRJ), Ricardo de Souza Nogueira (UFRJ - Suplente), Amós Coêlho da Silva (UERJ - Suplente).
RESUMO: Esta Tese possui como objetivo estudar as fábulas de Fedro em que se presencia a figura de Esopo, o qual aparece ora como personagem, principalmente nos momentos em que desempenha a função social de homo doctus na narrativa; ora como inspiração. Além disso, ela pretende investigar os elementos discursivos e dialógicos utilizados por Fedro, a fim de constituir as narrativas, bem como o tom mordaz presente em algumas delas ao discorrer sobre os aspectos políticos e sociais. Para tanto, traçaremos um estudo de alguns princípios pressupostos pelas teorias da Análise do Discurso e da Análise da Conversação, do gênero narrativo e de alguns aspectos provenientes do contexto histórico e social.

DOWNLOAD

OLIVEIRA, Sandra Verônica Vasque Carvalho de

Orientador: Arlete José Mota
DATA DA DEFESA: Fevereiro/2016
NÍVEL: Doutorado
TÍTULO: "O caráter dialógico no Pro Marcello: um discurso epidíctico de Cícero"
BANCA: Arlete José Mota (PPGLC/UFRJ), Amós Coêlho da Silva (PPGLC/UFRJ), Ana Thereza Basilio Vieira (PPGLC/UFRJ), Álvaro Alfredo Bragança Júnior (PPGLC/UFRJ), Auto Lyra Teixeira (PPGLC/UFRJ), Márcia Regina de Faria da Silva (UERJ - Suplente), Ricardo de Souza Nogueira (PPGLC/UFRJ - Suplente).
RESUMO: Esta Tese possui como objetivo estudar as fábulas de Fedro em que se presencia a figura de Esopo, o qual aparece ora como personagem, principalmente nos momentos em que desempenha a função social de homo doctus na narrativa; ora como inspiração. Além disso, ela pretende investigar os elementos discursivos e dialógicos utilizados por Fedro, a fim de constituir as narrativas, bem como o tom mordaz presente em algumas delas ao discorrer sobre os aspectos políticos e sociais. Para tanto, traçaremos um estudo de alguns princípios pressupostos pelas teorias da Análise do Discurso e da Análise da Conversação, do gênero narrativo e de alguns aspectos provenientes do contexto histórico e social.

DOWNLOAD

LOSSO, Guilherme Guerreiro Brito

Orientador: Alice da Silva Cunha
DATA DA DEFESA: Dezembro de 2016
NÍVEL: Doutorado
TÍTULO: "O Elogio da vida Rural no de re rustica de columela "
BANCA: Alice da Silva Cunha – UFRJ (Presidente), Ana Thereza Basílio Vieira – UFRJ, Carlos Eduardo Costa Scherer - UFRJ, Mary Kimiko Guimarães Murashima - UERJ, Airto Ceolin Montagner - UFRRJ, Arlete José Mota - UFRJ (suplente), Márcia Regina de Faria da Silva - UERJ (suplente).
RESUMO:O presente estudo aborda a caracterização do perfectus agricola no Livro I do De Re Rustica de Columela e parte da hipótese de que o autor emprega elementos da filosofia estoica para ratificar um ideal de vida confirmado pela tradição romana do mos maiorum. Para a realização deste propósito, examinamos o lugar da obra de Columela na tradição dos Scriptores Rerum Rusticarum latinos e sua herança filosófica, considerando sua relação com o pensamento e o contexto político-social e econômico da época. Columela constrói seu ideal de agricola, caracterizando-o com as virtudes romanas oriundas de uma tradição ligada à vida rural e revigoradas pelas virtudes cardeais estoicas, as quais contrapõe ao comportamento do homem urbano. O método se fundamenta na análise das fontes e dos recursos retóricos usados pelo autor.

DOWNLOAD

Coordenação

Coordenador: Prof. Ricardo de Souza Nogueira
rsnogueira@terra.com.br
Vice-coordenadora: Profa. Arlete José Mota
arletemota@yahoo.com.br
Secretária: Carla Pinotti
pos.classicas@gmail.com

Contate-nos

Entre em contato conosco pelo telefone oficial da pós-graduação ou pelo email

Endereço

Programa de Pós-graduação em Letras Clássicas
Faculdade de Letras da UFRJ
Av. Horácio de Macedo, 2151
Sala F. 327
Cidade Universitária - CEP 21941-917
Rio de Janeiro - RJ